Museu de Imagem e do Som de São Paulo (MIS) no Jardins

O Museu da Imagem e do Som de São Paulo (MIS) no Jardins, é um museu localizado na cidade de São Paulo, órgão da Secretaria de Estado da Cultura, criado em 29 de maio de 1970, através do decreto-lei 247.

O MIS tem como finalidade coletar, registrar e preservar o som e a imagem da vida brasileira, nos seus aspectos humanos, sociais e culturais, constituindo-se em importante núcleo de difusão artística e educativa.

Para sua criação foi formada, em 1967, uma comissão orga-nizadora integrada por Ricardo Cravo Albin (ex-presidente do Instituto Nacional de Cinema e diretor do MIS do Rio de Janeiro), Francisco Luiz de Almeida Salles (assessor do governador Abreu Sodré), Paulo Emílio Sales Gomes (conservador da Cinemateca Brasileira), Avelino Ginjo (chefe dos repórteres fotográficos do Palácio do Governo), Maurício Loureiro Gama (jornalista) e Rudá de Andrade (professor de Cinema da Escola de Comunicações da Universidade de São Paulo).

Após sua criação oficial, foi o Museu instalado a título precário na rua Antonio de Godoy, sede, à época, do Conselho Estadual de Cultura. Em seguida foi transferido sucessivamente para o Palácio dos Campos Elísios, para dependências na alameda Nothman, na avenida Paulista e, em 1973, para uma casa alugada na rua Oscar Pereira da Silva.

A sede atual do museu, na avenida Europa, foi adquirida por meio de processo de desapropriação da família Giaffone. O projeto de reforma do edifício, construído para servir de moradia, foi assinado por Roberto Fasano e Dan Juan Antonio. A sede do MIS foi aberta ao público a 27 de fevereiro de 1975, com a exposição “Memória Paulistana”.

História

O museu foi criado em um momento em que o país passava por um amplo processo de crescimento e modernização e aspirava concretizar a sua promessa enquanto país do futuro.

O grupo de intelectuais e produtores culturais que se mobilizou em torno da consolidação do Museu de Imagem e do Som de São Paulo (MIS), entre eles, Rudá de Andrade, Francisco Luíz de Almeida Salles, Paulo Emílio Salles Gomes, Luís Ernesto Machado Kawall, preocupados com as mudanças e o iminente desaparecimento de experiências culturais e artísticas significativas da vida rural e urbana paulista, embrenhou-se de forma sistemática na edificação de um acervo de imagens e sons que contemplasse estes conhecimentos diversos.

Embora estivessem envolvidos com a construção dessa memória, procuraram diferenciar o MIS dos museus tradicionais, afastando-o da imagem sacralizada de museu como um templo incomunicável de objetos únicos legatários de um tempo remoto e distante.

Buscaram, pelo contrário, afirmar o MIS dentro de uma proposta museológica diferenciada baseada na reprodutibilidade de seu acervo, composto de filmes, vídeos, fotografias, depoimentos orais, músicas, partituras e cartazes.

Além da singularidade dos seus suportes de memória, uma outra diferença em relação aos demais museus era, desde o início, o deslocamento do foco temporal para as experiências do presente e para as experimentações artísticas que sinalizavam um futuro ainda em gênese.

A natureza de seu acervo e a opção pelo registro do contemporâneo contribuíram para que o MIS se tornasse popular entre estudantes, artistas e profissionais liberais como um museu dinâmico e “mágico”.

Foi no MIS que linguagens e movimentos hoje consagrados tiveram a sua primeira acolhida e impulso. Os primeiros vídeos experimentais de Bill Viola foram exibidos no MIS. O curta-metragem ganhou notoriedade e respeitabilidade a partir dos seus Festivais Internacionais idealizado pelo Setor de Cinema do Museu.

No início da década de 70, o MIS, também foi precursor na exibição de filmes fora do circuito comercial, projetando realidades distantes do eixo hegemônico de poder, e abrindo caminho para o que viria a ser posteriormente a Mostra Internacional de Cinema de São Paulo.

A afirmação do vídeo enquanto uma linguagem artística que tem a sua própria gramática e que convoca e provoca uma sensibilidade própria no espectador, também tem o MIS como patrono. Foi no MIS que o Vídeo-Brasil se projetou e floresceu, dando origem a um acervo riquíssimo e único de vídeo-arte brasileira que remonta a década de 1980 e chega até a atualidade.

Estas intervenções no campo da produção e circulação de bens artísticos tiveram efeito multiplicador e fizeram com que o Museu fosse identificado como um espaço de intercâmbio informal entre produtores culturais, estudantes e interessados.

Além desta sua vocação para a arte experimental, o MIS foi a primeira instituição museológica a ter como atividade permanente a prática de história oral, rompendo também na história com os cânones tradicionais de arquivos.

Citada na própria carta de princípios e intenções do MIS de 1970, a produção constante de fontes orais sobre as várias linguagens a que o MIS se destina sofreu poucas intermitências ao longo dos anos e exibe em sua coleção artistas e personalidades como: Di Cavalcanti, Tarsila do Amaral, Sergio Buarque de Holanda, Piolim, Arnaldo Jabor, Nelson Pereira dos Santos, Tom Jobim, Gilberto Gil, Camargo Guarnieri, Marlene e tantas outras figuras emblemáticas de nossa cultura.

Além de registrar a experiência de celebridades, O MIS no inicio de suas atividades, teve forte inclinação antropológica e sociológica. O primeiro grande registro dentro desta perspectiva foi à pesquisa realizada sobre o Vale do Ribeira.

A partir do voluntarismo da equipe técnica, uma documentação sonora, cinematográfica e fotográfica foi criada sobre manifestações folclóricas da região, aspectos da arquitetura, agricultura, comércio e artesanato local.

Dentro desta vertente antropológica, vários outros projetos foram feitos, entre eles, a documentação sobre arte rupestre no Piauí e sobre as transformações sofridas pela população no eixo RIO-SANTOS.

A versatilidade de programação e a heterogeneidade de sua coleção de documentos sempre foram traços marcantes da instituição. Sem perder o pluralismo que o define desde a sua fundação, o MIS, não sendo mais ele o único reduto das artes e da cultura a dialogar com o seu tempo e a produzir acervo no cenário paulista, espera agora circunscrever com mais transparência a sua missão para a sociedade, para então melhor atendê-la. A idéia de reavivar e afirmar a vocação vanguardista do MIS parece neste momento a garantia de seu futuro e, ao mesmo tempo, o tributo ao seu passado como museu do futuro.

Função

As funções do Museu de Imagem e do Som de São Paulo (MIS) são múltiplas; além de registrar, organizar e preservar seu acervo, a divulgação da sua produção deve ocorrer de maneira dinâmica, com a realização de eventos públicos – espetáculos de música, mostras de cinema, de vídeo, de fotografia, seminários, publicações, etc. Tais funções requerem uma atuação moderna e ativa, dentro das mais avançadas técnicas de museu vivo.

Diretores

Desde sua criação o MIS contou com os seguintes Diretores Técnicos:

• Rudá de Andrade: 1970 – 1981
• Boris Kossoy: 1981 – 1983
• Ivan Negro Isola: 1983 – 1987
• Guilherme Lisboa: 1987 – 1988
• André Boccato: 1988 – 1989
• Ricardo Ohtake: 1989 – 1991
• Newton Mesquita: 1991 – 1993
• Amir Labaki: 1993 – 1995
• Marcos Santilli: 1995 – 2003
• Amir Labaki: 2003 - 2005
• Graça Seligman: 2005 - atualidade


Museu de Imagem e do Som de São Paulo (MIS) no Jardins
Avenida Europa, 158 - Jardim Europa - São Paulo - SP
CEP: 01449-000
(11) 2117-4777






  Sobre o EncontraJardins
Fale com EncontraJardins
ANUNCIE: Com Destaque | Anuncie Grátis

siga o Encontra jardins no Facebook siga o Encontra jardins no Twitter Encontra jardins no Google+

Termos EncontraJardins | Privacidade EncontraJardins